Prestes a ser julgado por agressão, Kanu faz pose de pugilista nas redes sociais

Kanu faz pose de pugilista com torcedores do Vitória
FOTO: REPRODUÇÃO

Envolvido na confusão que marcou o Ba-Vi do último domingo, no Barradão, o zagueiro Kanu posou para fotos em pose de pugilista em treino aberto para a torcida, realizado no sábado. O jogador, que agrediu Vinícius com socos durante o clássico, será julgado por agressão e ameaça na próxima terça-feira, no Tribunal de Justiça Desportiva da Bahia (TJD-BA).

Além de fotos, o zagueiro gravou um vídeo com torcedores, em que todos desferem socos no ar. Em uma das fotos, uma torcedora aparece com um curativo no supercílio, mesmo local em que Vinícius precisou fazer uma bandagem após os golpes desferidos por Kanu. As imagens foram exibidas pelo Esporte Espetacular neste domingo. Procurada pelo GloboEsporte.com, a assessoria do Vitória não se posicionou sobre o caso.

Expulso no último Ba-Vi, o zagueiro cumpriu suspensão na última quinta-feira e está relacionado para a partida deste domingo, contra o Jequié. A tendência é que seja titular no time de Vagner Mancini, que vai entrar em campo às 17h (horário de Brasília), pela 7ª rodada do Campeonato Baiano.

Além de Kanu, o julgamento da próxima terça-feira tem na pauta outros 11 jogadores que disputaram o Ba-Vi. Do lado do Vitória, vão ser julgados os jogadores Kanu, Denílson, Rhayner, Yago, Fernando Miguel, Bruno Bispo, Ramon e André Lima, além do técnico Vagner Mancini, do supervisor de futebol Mário Silva e do próprio clube. Do lado do Bahia, a procuradoria ofereceu denúncia contra os jogadores Vinícius, Edson, Rodrigo Becão e Lucas Fonseca.

Em vídeo, Kanu imita pugilista na Toca do Leão

FOTO: REPRODUÇÃO

A maioria dos atletas responderá pela confusão ocorrida no clássico. Bruno Bispo, Mário Silva, Vagner Mancini e o Vitória serão julgados pelo fim prematuro da partida. Aos 34 do segundo tempo, Bruno Bispo levou o segundo cartão amarelo e deixou o Vitória com apenas seis jogadores em campo, o que, pelo Regulamento Geral de Competições da CBF, provocou o encerramento do jogo e triunfo para o Bahia – a partida estava empatada em 1 a 1. O procurador Hermes Hilarião Teixeira Neto acusa o Rubro-Negro de provocar a expulsão intencionalmente. A convite da TV Bahia, dois especialistas em leitura labial avaliaram um vídeo de uma conversa entre Mancini e o zagueiro Ramon. Eles afirmaram que o técnico pediu a Bruno Bispo para levar o segundo cartão amarelo.

 

Fonte: Gazetaweb

COMPARTILHE
Fechar Menu